quarta-feira, 12 de agosto de 2009

misantropo?

todos se perguntam seus defeitos. e qualidades. há pouco descobri que metade dos meus podem ser resumidas em misantropia. bom e ruim. bem e mal. eu, que sempre preguei amor e compaixão, sinto o ódio corroendo minhas veias como ácido potrefando um cadáver qualquer. meu coração palpita, mas já não por amor. ele bombeia todo este escárnio. frívolo. insano. corrente. as pessoas não me agradam. longe disso, me decepcionam. às vezes penso que encontro um porém dentre a futilidade dos de novos. mas não. atuam. brincam com você como brincavam com um boneco na infância. nenhum ser humano tem o direito de brincar com o sentimento de um igual a si. e por estas que controlo em mim todo o ódio pulsante de minhas veias. mas se eu pudesse, fazia-os experimentar o ínfimo do que me jogam na cara. se eu pudesse... os explodiria, todos de uma só vez. operários do inferno. vadios. sinto a misantropia em sua forma mais selvagem por dentro em mim. ah, se eu pudesse, simplesmente, dividi-la...

2 comentários:

Bruna Zordan Borges disse...

tá ótimo!

L’esprit de l’escalier disse...

mas homeeemmm, o sangue escorreu da tela e o cheiro putrefato me fez entortar o nariz!