sábado, 29 de janeiro de 2011

situações.

o som dos carros passando na rua ao lado.
a escuridão que baixa no meu quarto.
em tudo vejo a imagem dos teus olhos
em que um dia sonho em poder me enxergar.

de novo eu digo que não vou te abandonar,
apesar de não teres dito que me quer.
nadar contra corrente pra te encontrar.
tudo que te disse ainda está de pé.

apesar de não entender o porque fazes assim,
está claro para todos que eu te quero só pra mim.
não importam as conseqüências que meus atos possam ter,
eu iria até o inferno e lutaria até o fim...

...por você.

Um comentário:

Guilherme disse...

Adorei esse, Mateus!