quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

insensatez...

me foi questionado onde estavam as palavras nervosas que escarro. me foi perguntado onde perambula minha cinzenta alma. me pergunto também: onde?! tua insensatez me tira tudo... vontades, sorrisos, virtudes... todos se vão, ao léo como uma folha cai na primavera. a primavera mais negra dos últimos dez anos. acredito em Deus, acredito no amor. mas não sei mais até que ponto. se nem de escrever mais me encorajo. penso no amor, não me recordo de palavra mais complexa: é feito pra rir, pra ser feliz, e me faz chorar. um poeta me disse que sofrer é amar demais. e sempre o ridicularizei pela minha concepão criada do amor. hoje vejo sua razão: passo horas, dias, quem sabe séculos lutando por breves cinco minutos de atenção. e tudo que ganho é um não. depois ouço de flores, de suavidades. não entendo como uma alma tão amada pode ser tão insentada, insensível. é, é o que tu és para comigo: insensível. meus sentimentos são feridos como brinquedos usados e inutilizados. contando, dir-vo-ei adeus. sabes onde me encontrar. tenha uma boa explicação. porque eu não me encontro mais em tanto sentimento.

Um comentário:

Inaiê Jacobsen disse...

que lindoooooooo mateus *-*